A Aurora Boreal

A aurora Auroras polares são um fenômeno ótico da atmosfera da Terra caracterizado essencialmente por faixas luminosas nas cores vermelha, verde e azul que podem ser vistas no céu.
É um dos fenômenos mais bonitos que podem ser observados em alta altitude. Geralmente, as auroras polares são visíveis acima de 75° de latitude, mas podem se estender a latitudes mais baixas eventualmente, inclusive na Escócia, diversas áreas da península escandinava, Japão, Estados Unidos, Austrália e América do Sul. Às vezes, ocorrem em alturas que variam de 100 a 200 quilômetros, mas podem chegar a alcançar 1.000 quilômetros. Ocorrem simultaneamente nos dois hemisférios e são conhecidas como “Aurora Boreal" no hemisfério norte e "Aurora Austral" no hemisfério sul.


Ímã polar

Auroras são geradas por partículas elementares emitidas pelo sol. Quando essas partículas se aproximam da Terra, são afetadas pelo campo magnético do planeta. Como se fossem ímãs, as linhas do campo magnético da Terra convergem próximo dos polos onde as partículas do vento solar são canalizadas com grande eficácia, até conseguirem penetrar significativamente as camadas superiores da atmosfera. Conforme entram nas regiões mais densas da atmosfera, aumentam as colisões entre as partículas do vento solar, carregadas de átomos e moléculas que compreendem a atmosfera, que, por sua vez estimulada, emite luz em diversos comprimentos de ondas.


As auroras polares podem ocorrer com formas e cores muito variadas entre si e se modificam muito rapidamente no tempo e no espaço. A extensão geográfica de visibilidade do fenômeno depende da intensidade do "vento solar" e não está ligada à perda de massa (plasma) da nossa estrela maior. Essa perda não é constante ao longo do tempo, mas varia e está associada a fenômenos muito agressivos que ocorrem nas camadas mais externas do sol. Apesar de não serem muito regulares, esses fenômenos mais agressivos acompanham um ciclo de aproximadamente onze anos, período durante o qual há um limite máximo e mínimo desse tipo de atividade. Durante as fases máximas do ciclo solar, a probabilidade de presenciar uma Aurora Boreal, mesmo em latitudes baixas, aumenta bastante. Em 1999, por exemplo, houve uma ocorrência em Friul-Veneza Júlia!


Pilotos em alerta

A Aurora Boreal As interações entre o vento solar e o campo magnético da Terra produzem alterações consideráveis na ionosfera e isso pode comprometer significativamente as comunicações por rádio. Com frequência, danos graves também pode ser causados aos sistemas de transporte de energia elétrica (na rede elétrica, por exemplo). Os danos são mais frequentes e graves nas regiões circumpolares onde os fenômenos que provocam as auroras são mais intensos.
Em trabalho conjunto com alguns órgãos internacionais, a Alitalia monitora, no nível planetário, o elemento que forma a base desses fenômenos: as tempestades geomagnéticas. Quanto maior a intensidade do fenômeno, maiores são os riscos de impacto negativo na operação correta de determinados equipamentos de navegação. Na maioria dos casos mais intensos, avisos ad hoc são emitidos por precaução e os voos nas regiões envolvidas são cancelados.


Você nunca se acostuma a tamanha beleza

Nós, pilotos (e, em alguns casos, os nossos passageiros também), vemos esses fenômenos naturais com certa frequência, principalmente nos voos intercontinentais que a nossa empresa faz todos os dias em diversas partes do mundo. Eu tenho que admitir que, apesar de já ter presenciado diversas auroras polares, é impossível não ficar fascinado por "efeitos especiais" tão vastos e espetaculares como esses que a natureza preenche o céu estrelado. 

Sombras, efeitos e cores nunca vistos antes são revelados em cada espetáculo. E tudo isso fica gravado para sempre na sua memória. Cada ocorrência é um espetáculo fascinante e inédito.